A Sepse é uma infecção generalizada, ou seja, um conjunto de infecções graves em todo o organismo, e que podem levar à falência múltipla de órgãos.

Em alguns casos, essa infecção não está realmente em todo o organismo, mas em um único órgão. Em resposta a essa infecção, o corpo provoca a inflamação generalizada numa tentativa de combater o agente da infecção, caracterizando a sepse e prejudicando o funcionamento dos outros órgãos.

Qualquer pessoa pode desenvolver sepse, mas o grupo de risco envolve bebês prematuros, idosos, pessoas com doenças como câncer, insuficiência cardíaca e diabetes.

Os números impressionam

Segundo informações do Instituto Latino Americano de Sepse, a mortalidade em UTI’s por conta de sepse no Brasil é maior que em países como a Índia e Argentina. A sepse é responsável por cerca de 25% das ocupações em leitos de UTI’s no país, e aproximadamente 55% desses pacientes vão à óbito.

O número de mortes por sepse por ano no Brasil podem chegar a um número superior a 230 mil, superando o infarto do miocárdio e o câncer. Em comparação, a média mundial de mortalidade por sepse está em torno de 30 a 40%, o que evidencia a grave situação da doença no Brasil.

A sepse ocorre mais frequentemente em hospitais, nos pacientes em tratamento com antibióticos ou cateteres e sondas.

cirurgiões luvas proteção sepse kevenoll

Como os hospitais podem reduzir o risco de sepse?

A higiene adequada é fundamental para evitar a proliferação de fungos, bactérias e vírus que podem causar infecções. Por isso, os hospitais podem:

  • Criar campanhas de conscientização sobre higienização para toda a equipe interna (médicos, enfermeiros e demais funcionários), e também para os visitantes e pacientes;
  • Estabelecer protocolos de diagnóstico e atendimento rápidos para os casos suspeitos;
  • Monitorar os casos em suas próprias UTI’s, visando realizar ajustes necessários para diminuir as ocorrências;

Além disso, possuir equipamentos adequados (cânulas, cateteres, soros, antibióticos, adrenalina, entre outros) é essencial para cuidar de pacientes com sepse. Porém, ainda mais importante que o tratamento, é evitar a doença.

Leia também: Procedimentos cirúrgicos em pacientes com Covid-19

O uso de luvas da forma adequada é imprescindível para que não haja contaminação cruzada entre os profissionais e os pacientes. Ter uma equipe bem treinada, responsável e consciente da importância do uso correto das luvas e dos protocolos de higienização das mãos, faz toda a diferença para a diminuição dos números de pacientes com sepse em hospitais.

Contar com materiais de qualidade é outra forma eficaz de evitar a sepse no ambiente hospitalar. Luvas de alta qualidade tem menos chances de sofrerem rasgos e perfurações, criando uma barreira de proteção mais resistente entre o profissional e o paciente.

A Kevenoll do Brasil trabalha com luvas de alta qualidade e marcas certificadas e testadas, para garantir total proteção para você e para o seu paciente. Conheça os nossos produtos:

Luvas Cirúrgicas Maxitex

A Maxitex e a Maxitex PF são luvas cirúrgicas de alta qualidade, confeccionadas em látex 100% natural com formato anatômico e alta sensibilidade tátil. A Maxitex (com pó) e a Maxitex PF (sem pó) são estéreis, e ideais para prática cirúrgica em hospitais, clínicas médicas, veterinárias, odontológicas e em laboratórios.

Luvas cirúrgicas de procedimento maxitexLuvas cirúrgicas de procedimento maxitex pf

Luvas de Procedimento Nugard

As luvas Nugard são ideais para procedimentos não cirúrgicos. As luvas Nugard podem ser utilizadas em hospitais, clínicas e laboratórios, oferecendo proteção contra riscos biológicos (como sangue e fluidos contaminados), contato com microrganismos nocivos, e durante a manipulação de materiais contaminados ou parcialmente contaminados. Podem ser em látex 100% natural com pó ou sem pó (Nugard PF), ou também em borracha sintética nitrílica, que oferece ainda mais resistência e é indicada para os profissionais alérgicos a látex.

Luvas de procedimento não cirúrgicas nugard Luvas de procedimento não cirúrgicas nugard pf Luvas de procedimento não cirúrgicas nugard nitrílica

Luvas Cirúrgicas Nuzone X2

As luvas Nuzone X2 são produzidas em borracha sintética Neoprene, livre de látex, estéreis, e oferecem aos profissionais de saúde excelente barreira contra os microrganismos. São mais resistentes e confortáveis na prática cirúrgica, entretanto, podem ser utilizadas em outros procedimentos hospitalares, quando necessário. As luvas de neoprene são muito recomendadas para usuários alérgicos ao látex. A Luva Cirúrgica Nuzone X2 garante o toque suave e a alta sensibilidade tátil de forma a assegurar precisão durante o manuseio de instrumentais e equipamentos.

Luvas de procedimento cirúrgicas em neoprene nuzone x2

Fale conosco e peça o seu orçamento.

Fontes: Dr. Drauzio Varella  Saúde Abril  ILAS